No dia 5 de dezembro a Abrasel no Paraná receberá interessados para vagas de cozinheiros, garçons, gerentes e atendentes

Com dificuldades para preencher as vagas temporárias de fim de ano, os bares e restaurantes de Curitiba associados da Abrasel no Paraná estão formando um banco de talentos para atender os postos de trabalho disponíveis no setor de laimentação fora do lar. No momento, há cerca de 100 vagas de cozinheiros, auxiliares de cozinha, gerentes, atendentes e garçons abertas em bares e restaurantes da capital. A previsão é que chegue a 300 até o fim de 2018.

“O setor sente muita dificuldade em encontrar pessoas qualificadas e disponíveis para trabalhar nos horários que bares e restaurantes funcionam. Tem muita gente desempregada, mas muitos não querem trabalhar nos sábados, domingos e feriados”, resume Luciano Bartolomeu, diretor-executivo da Abrasel no estado.

O banco de talentos terá uma ação no dia 5 de dezembro para receber pessoas interessadas nas vagas. A partir das 9 horas, na sede da Abrasel-PR, em Curitiba, serão distribuídas senhas por ordem de chegada. Os trabalhadores devem levar seus currículos impressos e as senhas servirão para as dinâmicas e encaminhamento imediato das vagas abertas. Experiência anterior não é obrigatória. A sede da Abrasel no Paraná fica na Avenida Senador Souza Naves, 148, no Alto da XV.

Com a proximidade das festas de fim de ano, os estabelecimentos de comida sentem o movimento aumentar, tanto pelas comemorações entre colegas de trabalho e amigos, quanto pelas compras de Natal que leva às pessoas para as ruas e shoppings. “Todas essas vagas são temporárias, mas com grandes chances de efetivação”, destaca Bartolomeu.

Empresário relata dificuldade

Com dois restaurantes em shoppings de Curitiba, o empresário Willian Baungrotz, do It’s Grill Express, espera preencher as três vagas temporárias que têm em aberto. “Este ano sentimos muita dificuldade em encontrar pessoas interessadas e compromissadas com o trabalho. O banco ajuda a dar a primeira filtrada em quem realmente está disposto”, diz.

Com 25 funcionários nas duas lojas, o empresário diz que já preencheu cinco vagas temporárias até agora e que normalmente não exige experiência e qualificação, já que todo o treinamento é feito pela própria marca. “Só é preciso que a pessoa tenha força de vontade para aprender”, afirma.

Do quadro total de funcionários da empresa, sete são estrangeiros – do Peru e Haiti. “Eu tenho inclusive dado preferência por contratar estrangeiros porque eles querem crescer, são bastante compromissados, não faltam e querem mesmo trabalhar. Temos um bom plano de carreira na empresa e vários estrangeiros já foram promovidos”, diz.

Fonte: Gazeta do Povo